quinta-feira, março 05, 2015

INTERNACIONAL: embaixador Americano leva corte profundo no rosto.

O embaixador dos Estados Unidos na Coreia do Sul, Mark Lippert, ficou ferido nesta quinta-feira (5, horário local) após ser atacado por um homem que disse ser contra as manobras conjuntas que Washington e Seul começaram a realizar esta semana em território sul-coreano. O suspeito, identificado como um homem de 55 anos de sobrenome Kim, cortou com uma lâmina o rosto e o punho do embaixador quando este chegava para dar uma conferência no centro de Seul

domingo, março 01, 2015

MIGUEL BADRA: cheias, e acessos.


 Imagens aeras feita sobre o rodoanel Mario covas mostra o antes e o depois as condições das bacias do rio tiete na região cidade Miguel badra suzano.   tudo voltou ao normal depois das fortes chuvas que caiu na região. reservatórios estão quase nos seus níveis normais obrigado.

 
agora vejam algumas mudanças depois das fortes chuvas que caíram nessas regiões do alto tietê, é possível ver que os níveis d´agua estão nos seus habitar natural como de sempre. já é possível perceber quer alguns animais e aves começam a aparecer sobre as margens, e a vegetação.
               agora veja nas imagens algumas mudanças após chuvas.
veja também o mega Rodo anel Mário covas que passa pela região Miguel badra-Suzano. e seu acesso as grandes Rodovias paulista rumo ao litoral praianos.
rodo anel passando sobre as bacias do rio tiete Miguel badra Suzano.
 rodo anel divisa Suzano Itaquaquecetuba rumo ribeirão pires-sp
ponte que divide itaquaquecetuba,e a cidade do Miguel badra suzano-sp. próxima estação do aracaré.
 rodo anel sentido ribeirão pires  região leste suzano-sp
 rodo anel leste sentido itáquar, arujá, rodovia Airton Senna. região Miguel badra Suzano.
  rodo anel sentido ribeirão pires  região leste suzano-sp

Rodo anel leste Rumo as três  grandes rodovias paulistas região Suzano-sp

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

ACRE: Com pior enchente da história, Brasiléia, AC, decreta calamidade.

Cheia do Rio Acre atinge 100% de Brasiléia (Foto: Andrey Santana/ Secom Acre)
Cheia do Rio Acre atinge 100% de Brasiléia (Foto: Andrey Santana/ Secom Acre)



Com 14,85 metros, nível do rio ultrapassa marca de 2012.
Mais de 1,8 mil pessoas tiveram que deixar suas casas.

 A cheia do Rio Acre atingiu nesta segunda-feira (23), 100% da cidade de Brasiléia (AC), distante 232 km de Rio Branco. Considerada a pior cheia da história da cidade, a prefeitura do município decretou estado de calamidade pública. O nível do manancial atingiu 14,85 metros nesta segunda, marca superior à registrada em 2012 (14,77)
 Brasiléia está tomada pelas águas do Rio Acre (Foto: Gleilson Miranda/Secom Acre)
De acordo com o governo do estado, 13 bairros foram atingidos diretamente pela cheia, parte da energia foi suspensa, o sistema bancário caiu e a comunicação via celular de três operadoras está interrompida. O número de famílias afetadas chega a 577, entre desabrigadas e desalojadas. Um total de 1.880 pessoas. Dentre o quantitativo de famílias, 251 estão desabrigadas. O rio está 3,41 metros acima da cota de transbordamento, que é de 11,40 metros. Em Epitaciolância, cidade vizinha, 60 famílias estão desabrigadas e 702 pessoas foram atingidas.
Por causa da cheia, o hospital Raimundo Chaar, localizado na Rua Prefeito Rolando Moreira, um dos locais atingidos pela enchente, está atendendo apenas procedimentos de urgência e emergência, de acordo com a Secretaria de Saúde do estado.

A água também invadiu outros órgãos públicos, como o INSS, o Tribunal de Justiça, prédio do TRE.

 Xapuri decreta estado de emergência
A cerca de 44 km de Brasiléia, no município acreano de Xapuri, a Prefeitura decretou estado de emergência, nesta segunda-feira (23). Depois que o nível do Rio Acre chegou a 15,59 metros, ficando mais de dois metros acima da cota de transbordamento de 13,40 metros e cobrindo cerca de 15% da área urbana da cidade.

Ao todo, 280 famílias foram atingidas pela cheia no município, destas, 82 precisaram ser retiradas de suas casas. Nos abrigos públicos, encontram-se 59 famílias, o restante está na casa de amigos ou parentes.

De acordo com o prefeito de Xapuri, Marcinho Miranda, a tendência é que assim como em Brasiléia, o rio continue a subir. "Está chovendo muito na região e dificilmente teremos vazante agora. O rio está subindo cerca de quatro centímetros por hora, estamos muito preocupados porque a situação está se agravando", afirma.

domingo, fevereiro 22, 2015

VIRGÍNIA EUA: ladrão se dá mal.

Momento em que farmacêutico disparou contra assaltante foi registrado pelas câmeras de segurança (Foto: Kanawha County Sheriff/Divulgação)
Momento em que farmacêutico disparou contra assaltante


Câmera registra como farmacêutico mata assaltante mascarado a tiros                      (VEJA O VÍDEO).


'Por que você me fez fazer isso?', perguntou ele ao ladrão.
Caso aconteceu no estado da Virgínia Ocidental, nos EUA.

Uma câmera de segurança de uma farmácia em Pinch, no estado americano da Virgínia Ocidental, registrou o momento em que um funcionário reagiu a um assalto e disparou contra um assaltante 
O suspeito entrou com uma máscara no estabelecimento nesta quarta-feira (18). Segundo relatos publicados pela imprensa local, o farmacêutico Don Radcliff desconfiou do homem já antes de ele tirar sua arma e por isso ficou de prontidão com uma pistola que carregava sob o avental, atacando o assaltante rapidamente.
A sequência de tiros derrubou o suspeito, que foi levado vivo a um hospital, mas acabou morrendo. Radcliff voltou a trabalhar no dia seguinte ao ocorrido, e ficou abalado pelo fato de ter matado uma pessoa. Ele disse que recorreu à sua religião para se confortar.
Outros funcionários que estavam na loja no momento do assalto disseram que, enquanto Radcliff tentava conter o sangue do suspeito logo após ser abatido, o farmcêutico perguntava: "Por que você me fez fazer isso?" As autoridades identificaram o ladrão como Terry Gillenwater, de 25 anos. Ele já tinha problemas com a Justiça por causa do uso e venda de drogas.

sábado, fevereiro 21, 2015

ESTADOS UNIDOS: nova tempestade de gelo.




Casa Branca é tomada pela neve (Foto: Yuri Gripas/Reuters) 

Sensação térmica em algumas localidades foi de -40ºC.
Na Casa Branca, jardins ficaram completamente tomados pela neve.

A onda de frio e neve que atinge os Estados Unidos matou na última semana, pelo menos, 23 pessoas, de acordo com a rede americana CNN. Já o jornal "The New York Times" afirma que ao menos 31 pessoas morreram em decorrência do frio.
Em Nova York, os termômetros marcaram -34ºC. A previsão, de acordo com meteorologistas, é de que a frente fria se espalhe para a Costa Leste do país, o que deixa 125 milhões de americanos sob alerta de baixas temperaturas. Cidades como Louisville e Cincinnati devem receber nevascas, enquanto no Kentucky, a neve pode ultrapassar os 38 cm de altura.
Com o frio e a neve, o visual dos cartões postais do país mudou. A Casa Branca, sede e residência do governo americano, teve seus famosos jardins cobertos de neve. De acordo com o departamento nacional do clima dos Estados Unidos, as temperaturas na capital devem subir e oscilar entre -6ºC e -1ºC.

Nova tempestade
A nova tempestade que atingiu neste sábado a costa leste dos Estados Unidos ameça criar mais transtornos em grandes cidades, como Nova York e Boston. Foram registradas tempestades de neve em localidades de estados como a Geórgia. Em Kentucky e Tennessee há previsão de inundações causadas pela chuva caída em solo gelado.
Os maiores problemas, no entanto, devem ocorrer mais ao norte, em áreas como Massachusetts e Maine, onde mais uma vez cairão grandes quantidades de neve.
Em Boston, a principal cidade do estado, acumularam-se nas últimas semanas mais de dois metros e meio de neve durante vários temporais consecutivos. Em Nova York, onde nesta sexta (20) foram registradas algumas das temperaturas mais baixas em décadas, a neve começou a cair por volta do meio-dia (hora local). Também há previsão de chuva de granizo.
As previsões não são animadoras. Segundo os meteorologistas, quando passar o temporal, uma nova frente fria atingirá a região, deixando as temperaturas abaixo de zero.
Neve nas Cataratas do Niágara (Foto: Carolyn Thompson/AP)
Neve nas Cataratas do Niágara (Foto: Carolyn Thompson/AP)
Neve cobre a Casa Branca (Gnews) (Foto: Reprodução GloboNews)
Neve cobre a Casa Branca (Foto: Reprodução GloboNews)
Casa Branca é tomada pela neve (Foto: Yuri Gripas/Reuters)
Casa Branca é tomada pela neve (Foto: Yuri Gripas/Reuters)
Casa Branca é tomada pela neve (Foto: Yuri Gripas/Reuters)
Casa Branca é tomada pela neve (Foto: Yuri Gripas/Reuters)
Neve nas Cataratas do Niágara (Foto: Carolyn Thompson/AP)
Neve nas Cataratas do Niágara (Foto: Carolyn Thompson/AP)

TEMPORAL: no outro lado do mundo.

 Ciclones atingem a Austrália
Segundo projeções, o ciclone de 70 quilômetros de extenção pode provocar grandes ondas, chuvas intensas, inundações e violentas rajadas de vento








sexta-feira, fevereiro 20, 2015

MINAS GERAIS: carro fica crivado de balas.

Carro onde estavam os suspeitos ficou com várias marcas de tiros



Troca de tiros termina com um suspeito morto e dois feridos em Belo Horizonte


Três suspeitos foram baleados e um deles morreu na manhã desta sexta-feira (20) durante troca de tiros com a PM (Polícia Militar) no bairro Jaqueline, região norte de Belo Horizonte.

Segundo a PM, militares do batalhão Rotam (Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas) faziam patrulhamento pela região quando depararam com um veículo em atitude suspeita e deram ordem de parada aos ocupantes.


Entretanto, eles não teriam acatado e iniciaram uma fuga pelas ruas do bairro, sendo acompanhados pelos militares. Durante a perseguição, um dos suspeitos teria atirado contra a viatura e os policiais revidaram.
Após intensa troca de tiros, os três ocupantes do veículo suspeito foram baleados e foram levados para o Hospital Risoleta Neves. Entretanto, um deles não resistiu aos ferimentos. Já entre os policiais, ninguém ficou ferido. Dentro do carro dos criminosos, a PM apreendeu duas armas de fogo.

terça-feira, fevereiro 17, 2015

AMERICA DO NORTE: estados unido possibilidade de 'mega seca' inédita em mil anos.


Fundo dos EUA 

EUA correm risco de uma "megasseca" que duraria 30 anos, aponta estudo

Um estudo divulgado pela Nasa (agência espacial americana) aponta que as emissões de gases poderiam aumentar radicalmente o risco de grandes secas nos Estados Unidos, a ponto de as regiões sudeste e planícies centrais experimentarem um período de 30 anos de estiagem.
A pesquisa indica que as secas registradas no sudeste e na região das planícies centrais dos Estados Unidos nos últimos 50 anos podem ser mais longas do que as experimentadas nos últimos mil anos. Segundo o pesquisador-chefe Ben Cook, cientista climática do Instituto Goddard para Estudos Espaciais e do Observatório da Terra Lamont-Doherty na Universidade de Columbia, a situação deve piorar bastante se não houver controle das emissões de gases.
De acordo com a pesquisa, há uma probabilidade de 12% de que essas regiões experimentem uma "megasseca", que duraria três décadas. Entretanto, se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a crescer durante todo o século 21, essa probabilidade subiria para 80% entre 2050 e 2099.
"Secas naturais como a dos anos 1930 e a que vivemos hoje no sudeste do país historicamente duraram um pouco menos de uma década", afirmou o pesquisador. "O que os números nos mostram agora é que vamos experimentar uma seca semelhante a essas, mas que provavelmente vai durar de 30 a 35 anos".
Combinação de fotos da Nasa mostra efeito da seca na Califórnia
Combinação de fotos da Nasa mostra efeito da seca na Califórnia  


28.jan.2014 - Poça de água se destaca em meio ao solo seco e rachado no fundo da represa Alamden em San Jose, na California, EUA
28.jan.2014 - Poça de água se destaca em meio ao solo seco e rachado no fundo da represa Alamden em San Jose, na California, EUA

O sudoeste e as planícies centrais dos Estados Unidos correm o risco de enfrentar uma mega seca a partir de 2050 – a maior em mil anos, segundo pesquisadores. Algumas regiões, como a Califórnia, já enfrentam uma séria escassez de chuvas, mas a situação é branda se comparada com alguns períodos dos séculos 12 e 13. "Essas mega secas durante os anos 1100 e 1200 persistiram por 20, 30, 40, 50 anos de cada vez e foram secas que ninguém na história dos Estados Unidos jamais experimentou", disse Ben Cook, do Instituto Goddard para Estudos Espaciais da Nasa.

São esses eventos climáticos sem precedentes no último milênio que podem vir a acontecer, segundo os novos modelos. "As secas que as pessoas conhecem – como a que foi chamada de dust bowl nos anos 1930 por causa das tempestades de areia, a seca dos anos 1950 ou mesmo a atual seca na Califórnia e no sudoeste – foram secas naturais que esperava-se que durassem apenas alguns anos ou talvez uma década", disse Cook. "Imagine se a seca atual na Califórnia continuasse por mais 20 anos", comparou.

Duplo efeito

O estudo reforçou um consenso sobre as secas que deverão afligir o sudoeste e as planícies centrais americanas (uma larga faixa de território do norte do Texas até as Dakotas do Norte e do Sul) em consequência das crescentes emissões de gases na atmosfera.

Elas serão causadas por um fenômeno duplo: a precipitação reduzida (redução da quantidade de chuvas e neve) e o aumento da evaporação (impulsionado pelas altas temperaturas, que deixará os solos mais ressecados).

Para o novo estudo, a equipe de Cook comparou reconstruções das condições climáticas do passado feitas a partir da análise dos anéis de crescimento das árvores – os anéis são mais largos em anos mais úmidos. Foram levados em conta também outros 17 modelos climáticos, além de índices diferentes usados para descrever a quantidade de umidade que se manteve nos solos.

Com estas informações, os pesquisadores conseguiram entender a variação natural do sistema climático, separando o que são situações normais e o que seriam situações extremas.

O que o grupo descobriu foi que, após 2050, o sudoeste e as planícies centrais provavelmente passarão por períodos de estiagem que ultrapassariam até mesmo a chamada "anomalia climática medieval" nos séculos 12 e 13.

"Tanto no sudoeste quanto nas planícies centrais, estamos falando de um risco de 80% de uma seca de 35 anos até o final do século, se a mudança climática se consumar", disse o coautor do estudo Toby Ault, da Universidade de Cornell.

"E esse é um ponto muito importante – não estamos necessariamente presos neste alto risco de uma mega seca se tomarmos providências para retardar os efeitos da emissão dos gases estufa nas temperaturas globais."

Vivendo em estiagem

Ault definiu as condições de uma mega seca usando o exemplo da cidade de Tucson, no Arizona, onde a precipitação está em 80% dos níveis esperados desde o final dos anos 1990. Se isso continuar por mais duas décadas, a situação se qualifica como mega seca.

Apesar do desafio, o pesquisador se disse otimista com a possibilidade de desenvolver estratégias para lidar com o problema.

"Os registros que temos de mega secas do passado são baseados em estimativas de anéis de crescimento. Se você pensar bem, isso é um pouco animador, porque significa que as secas não foram ruins a ponto de matar todas as árvores", disse Ault.

"Estou otimista porque uma mega seca não significa não ter água – significa apenas ter muito menos água do que nos acostumamos a ter no século 20."

O estudo, divulgado na publicação científica Science Advances, foi discutido no encontro anual da Associação Americana para o Avanço das Ciências, que acontece em San Jose, na Califórnia.

quarta-feira, fevereiro 11, 2015

FIQUE POR DENTRO: como funciona o abastecimento d`água em são paulo.


   


 dados fornecido:   folha de são paulo http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/02/1587682-governo-de-sp-encontra-nova-reserva-de-agua-no-sistema-cantareira.shtml


terça-feira, fevereiro 10, 2015

CRISE D´AGUA: chove em quase toda são paulo.

Salesópolis

Após sexta elevação de fevereiro, volume do Alto Tietê chega a 12,7%

Nesta terça-feira (10) o volume armazenado do Sistema Alto Tietê chegou a 12,7%, após registro de chuva de 1,4 mm nas represas na segunda-feira, de acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). A pluviometria acumulada no mês subiu para 83,2 mm. No início deste mês o volume esava em 11%.
Nos dez primeiros dias de fevereiro de 2014 havia chovido apenas 0,5 mm. A média histórica de chuvas no mês é de 192 mm.
No dia 10 de fevereiro de 2014, o volume armazenado estava em 41,6%. Na época, o Estado já passava pela crise hídrica e a água do Alto Tietê tinha começado a ser usada para apoiar o Sistema Cantareira.
O nível do Rio Tietê na Estação Pedra de Afiar, em Mogi das Cruzes, está em 1,41 metro nesta terça-feira. Neste ponto é retirada a água que abastece 65% da cidade. O limite mínimo pra a captação, segundo o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae), é de 1 metro. Ainda de acordo com o Semae, os outros 35% da água de Mogi são comprados da Sabesp.
A chuva do dia 5 de fevereiro foi a mais intensa do ano nas represas do Alto Tietê, com 43,88 mm, segundo a Sabesp. Neste ano, o maior índice pluviométrico tinha sido registrado no dia 7 de janeiro, de 17,2 mm.
O Sistema Alto Tietê fechou janeiro com chuva 58,72% abaixo da média. Uma lista com bairros do Alto Tietê que têm sofrido os efeitos da redução da pressão da água foi divulgada pela Sabesp.
Sistema Alto Tietê
O Sistema AltoTietê abastece 4,5 milhões de habitantes da Grande São Paulo e parte da capital. Desde dezembro de 2013, fornece água também a moradores que antes eram atendidos pelo Cantareira.
Em dezembro de 2013, a água produzida na região passou a atender parte da população que antes era abastecida pelo Sistema Cantareira, mas a medida foi anunciada pelo governador Geraldo Alckmin apenas em março de 2014.
Implantado no início da década de 1970, o sistema é formado por cinco reservatórios: Ponte Nova (Rio Tietê), no limite dos municípios de Salesópolis e Biritiba Mirim; Paraitinga (Rio Paraitinga), em Salesópolis; Biritiba (Rio Biritiba), no limite dos municípios de Biritiba Mirim e Mogi das Cruzes; Jundiaí (Rio Jundiaí), em Mogi das Cruzes; e barragem de Taiaçupeba (Rio Taiaçupeba), no limite de Mogi e Suzano. A água do sistema é tratada na Estação de Taiaçupeba, em Suzano.

Confira o níveis dos sistemas que atendem a Grande São paulo

Cantareira: subiu de 5,9% para 6,1%;
Alto Tietê: subiu de 12,6% para 12,7%;
Guarapiranga: subiu de 53,4% para 54,2%;
Alto Cotia: subiu 33,1% para 33,3%;
Rio Grande: manteve-se em 78,8%;
Rio Claro: subiu 31,1% para 31,3%.